top of page

O Impacto da Reforma Tributária nos Medicamentos e Produtos de Higiene: Benefícios Fiscais x Alíquotas Reduzidas

Nos meandros da legislação tributária, cada ajuste representa uma dança complexa entre o Estado, os contribuintes e os setores econômicos. A reforma tributária, tema incandescente em debates e especulações, desperta dúvidas e expectativas sobre como o cenário pós-reforma irá moldar a carga tributária, especialmente para itens essenciais como medicamentos e produtos de higiene.


A necessidade premente de balancear interesses diversos é uma constante na elaboração de normas. A reforma tributária, longamente discutida e finalmente aprovada em 2023, almeja esse equilíbrio delicado, preservando não apenas os interesses econômicos, mas também o bem-estar da sociedade.


Uma das facetas mais discutidas da reforma é a transição dos benefícios fiscais para uma estrutura de alíquotas reduzidas. No caso dos medicamentos e produtos de higiene, esse ajuste é particularmente sensível, dada a sua natureza vital para a subsistência e saúde da população.


No atual sistema tributário, diversos benefícios fiscais mitigam a carga tributária sobre esses produtos, tornando-os acessíveis a uma gama maior de pessoas. Contudo, a reforma propõe uma mudança nesse paradigma, substituindo os benefícios por alíquotas reduzidas.


Ainda que a legislação complementar esteja por vir, algumas conjecturas podem ser feitas sobre o cenário pós-reforma. Produtos de higiene pessoal, por exemplo, poderão usufruir de uma redução de 60% nas alíquotas do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS) e Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), privilegiando especialmente as famílias de baixa renda.


No tocante aos medicamentos, a situação é igualmente relevante. Enquanto alguns, como os destinados ao tratamento do câncer, provavelmente manterão a isenção, outros podem ser enquadrados em reduções de alíquotas, proporcionando um equilíbrio entre acessibilidade e arrecadação.


Entretanto, é crucial reconhecer que a reforma não é imune a incertezas. A regulamentação subsequente e as nuances da legislação infraconstitucional podem introduzir mudanças significativas no panorama tributário desses setores.


Apesar das conjecturas, há um consenso sobre a necessidade de manter a carga tributária próxima dos níveis atuais, garantindo que os ajustes não prejudiquem o acesso da população a itens essenciais.


A transição para um novo sistema tributário é uma jornada repleta de desafios e adaptações. No entanto, é fundamental que essa transição seja pautada pela busca do equilíbrio entre a justiça fiscal e a preservação dos direitos fundamentais, especialmente no que tange à saúde e higiene.


Em suma, a reforma tributária é mais do que uma simples mudança de alíquotas e benefícios fiscais; é uma oportunidade de redefinir as relações entre o Estado e os cidadãos, garantindo que os impostos sirvam não apenas para arrecadar, mas também para promover o bem-estar e a equidade social. Nesse sentido, é imperativo que os ajustes promovidos considerem não apenas os interesses econômicos, mas também os imperativos éticos e sociais que moldam nossa sociedade.

4 visualizações0 comentário
bottom of page